Japona de Nylon Térmica sem Bolso

R$120,00

2x de R$60,00 sem juros

Japona de Nylon Térmica sem Bolso

Japona térmica confeccionada em nylon resinado, manta térmica interna de poliéster, capuz acoplado com ajuste por cordão, bolsos frontais, mangas largas, acabamento interno matelado, fechamento frontal por 4 botões de pressão guiados por tira contínua de velcro.

Certificado de Aprovação (CA): CA. 25.725

Indicações de uso: Proteção do tronco e membros superiores contra riscos térmicos (frio) em atividades executadas em ambientes de baixa temperatura. Para garantir total conforto e proteção, é importante utilizar EPIs cuja gramatura da manta térmica seja condizente com o nível de temperatura da câmara-fria.

Aplicações: Frigoríficos, Abatedouros, Cozinha Industrial, Câmara Fria, Redes de Supermercados, Pescados, Logística Refrigerada e Armazéns Frigoríficos.

Dados complementares: Possibilidade de Customização - Bordados de Logomarca, identificação do colaborador através de numeração sequencial, setor ou função, Faixas refletivas noturnas (prata) e diurnas (verde ou laranja) costuradas no tórax e braços

Alta Durabilidade: Costuras duplas em toda construção da vestimenta, botões de pressão em latão, metal superior ao ferro que não oxida (enferruja) nas lavagens ou em ambientes úmidos.

Isolamento Térmico Absoluto: Nossa japona -35ºC é fabricada com manta térmica de 200g/m² para garantir total proteção ao usuário, enquanto outras empresas do mercado utilizam mantas 25% mais leves (150g/m²) - cuja proteção REAL é de apenas -20ºC. Todas as vestimentas térmicas da Qualiflex foram enviadas para Europa para testes reais de isolamento ao frio, onde recebemos o laudo técnico atestando que nossos EPIs protegem contra as temperaturas propostas. Estes laudos podem ser solicitados pelos nossos clientes para confirmação das informações e utilização em eventuais perícias e ações.

Obs: O isolamento térmico é composto por três variáveis: temperatura ambiente, tempo de exposição ao frio, e por último, o nível de esforço físico de sua atividade (que pode ou não gerar calor no corpo e diminuir a sensação de frio). Os números citados acima devem ser analisados levando em conta os 3 fatores, e não somente a temperatura ambiente. Lembrando sempre que a legislação brasileira impõe intervalos obrigatórios e limites de tempo nas atividades exercidas dentro de ambientes refrigerados.